O que é o Baked Alaska

Pouco conhecido aqui no Brasil, o Baked Alaska é uma popular sobremesa nos Estados Unidos. Ele consistem em uma base de bolo, um centro de sorvete e uma cobertura de merengue.

Uma vez que montada a receita é assada rapidamente em altas temperaturas. O sorvete ao interno, no entanto, não derrete pois o merengue atua como um poderoso isolante térmico! Hoje algumas pessoas, porém conseguem fazer a receita de um modo mais simples, seguindo as invenções de Jacqueline Halliday Diaz, que em 1974 inventou uma assadeira que permite a criação de um interior vazio no bolo, que depois pode ser preenchido com sorvete.

Como muitas histórias da gastronomia, não se sabe bem o que é lenda e o que é fato, mas uma das principais narrativas sobre a sobremesa conta que ela foi batizada no Antoine’s, um restaurante em Nova Orleans, Louisiana. O nome foi dado em 1867 pelo chef Antoine Alciatore para homenagear a aquisição americana do Estado do Alaska, comprado da Russia em Março daquele ano.

O nome, porém, não pegou rapidamente. Em 1894, o chef Charles Ranhofer chamou o prato de”Alaska, Florida” in 1894, salientando o contraste de elementos quentes e frios na receita. Outros nomes que a receita recebe são “glace au four”, “omelette surprise” e “omelette à la norvégienne” (Omelete Norueguês), este último referindo ao clima frio da Noruega.

Outras versões, claro, existem do Baked Alaska. Uma curiosa foi inventada em 1969 pelo físico e gastrônomo molecular Nicholas Kurti. Ele criou uma versão ao contrário em que uma casca de merengue é preenchida por um liquor quente. A receita foi batizada de “Frozen Florida” (Flórida Congelada).

Não importa a variação, se tem sorvete bom no meio, a gente gosta!