7544724f-be2f-4791-9d5f-e7e77e825b38--Baked_Alaska

O que é o Baked Alaska

Pouco conhecido aqui no Brasil, o Baked Alaska é uma popular sobremesa nos Estados Unidos. Ele consistem em uma base de bolo, um centro de sorvete e uma cobertura de merengue.

Uma vez que montada a receita é assada rapidamente em altas temperaturas. O sorvete ao interno, no entanto, não derrete pois o merengue atua como um poderoso isolante térmico! Hoje algumas pessoas, porém conseguem fazer a receita de um modo mais simples, seguindo as invenções de Jacqueline Halliday Diaz, que em 1974 inventou uma assadeira que permite a criação de um interior vazio no bolo, que depois pode ser preenchido com sorvete.

Como muitas histórias da gastronomia, não se sabe bem o que é lenda e o que é fato, mas uma das principais narrativas sobre a sobremesa conta que ela foi batizada no Antoine’s, um restaurante em Nova Orleans, Louisiana. O nome foi dado em 1867 pelo chef Antoine Alciatore para homenagear a aquisição americana do Estado do Alaska, comprado da Russia em Março daquele ano.

O nome, porém, não pegou rapidamente. Em 1894, o chef Charles Ranhofer chamou o prato de”Alaska, Florida” in 1894, salientando o contraste de elementos quentes e frios na receita. Outros nomes que a receita recebe são “glace au four”, “omelette surprise” e “omelette à la norvégienne” (Omelete Norueguês), este último referindo ao clima frio da Noruega.

Outras versões, claro, existem do Baked Alaska. Uma curiosa foi inventada em 1969 pelo físico e gastrônomo molecular Nicholas Kurti. Ele criou uma versão ao contrário em que uma casca de merengue é preenchida por um liquor quente. A receita foi batizada de “Frozen Florida” (Flórida Congelada).

Não importa a variação, se tem sorvete bom no meio, a gente gosta!

Compartilhe este post

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on print
Share on email

Os Ingredientes do Sorvete

Dizem que a confeitaria é uma grande equação exata. Fazer sorvete é isso à décima potência. Isso porque há muitas relações físico-químicas que criam essa

LEIA MAIS »
%d bloggers like this: