Escola SorveteTempo de leitura: 3 min

Ano passado conheci a Escola Sorvete e, por mais que tenha ficado encantada pelo o que experimentei (afinal, sorvete é uma melhores coisas da vida), a melhor parte da visita foi conversar com seu fundador, Francisco Sant´Ana, que traz a contracultura para o mundo do sorvete.

Francisco Sant´Ana tem um curriculum impressionante. Fluente em 5 línguas e com passagem em uma dezena de países, ele se formou no ICIF do Rio Grande do Sul e especializou-se nas conceituadas Escuela de Pasteleros Mausi Sebess, em Buenos Aires, e na Escuela Universitaria de Hotelaría y Turismo de Sant Pol de Mar, na Espanha. Em seguida ganhou uma bolsa de estudos na École Nationale Supérieure de la Pâtisserie, na França, adquiriu o Certificat d’Aptitude Professionnelle (CAP) e tornou-se o primeiro assistente estrangeiro da Instituição. Mas todas essas honras são, sinceramente a parte menos interessante sobre ele.

1947560d08e614549dac27ed6da32534

Antes de encontrar a gastronomia, Francisco se formou em Geografia na USP e trabalhou por anos em cargos governamentais, só para entender que seu idealismo não casava bem com os mecanismos do poder. Ele pode ter mudado a carreira, mas não de propósito. Basta 5 min de conversa para perceber que Francisco não vê fazer sorvete apenas como uma possibilidade de agradar o paladar, mas também como uma possibilidade de gerar mudança.

Além de não usar aditivos, criando produtos honestos, naturais, feitos a partir de frutas frescas, bons chocolates e leite, a Escola Sorvete busca estimular o empreendedorismo brasileiro no mercado do sorvete. Mas também vai além. Com sua ajuda e mentoria, a comunidade de Heliópolis vai inaugurar sua própria fábrica de sorvetes artesanais, criando uma foco de geração de emprego e renda, sem falar, sorvete de qualidade fora do pólo econômico paulistano. A Escola Sorvete forneceu todo o maquinário, além dos cursos profissionalizantes, e estabeleceu uma parceria com o banco de alimentos do CEAGESP, que fornecerá toda a matéria prima para a produção, e com o Movimento dos Moradores Sem Teto do Ipiranga (MSTI), responsável por selecionar os interessados e registrá-los em esquema cooperativa.

969900eef69d502ee39a1578af299ba5

Vale ressaltar que os maquinários não foram uma doação, mas sim um empréstimo. Uma vez que a fábrica estiver funcionando e gerando lucro, o pagamento será feito, porém não a Escola, mas sim com a compra de um maquinário para uma comunidade vizinha. O sonho de Francisco é gerar uma rede em que a cada 6 meses uma nova fábrica seja inaugurada. Para ele, isso é usar sorvete para criar um movimento de contracultura, fazendo com que novas sorveterias de qualidade nasçam não só em bairros nobres, mas em regiões e comunidades desfocadas.

Gostou? Dá uma olhada nos cursos da Escola Sorvete no site.

Captura-de-Tela-2016-05-14-às-21.47.36-1080x711

Dica de Receita
E para quem está procurando um sorvete fácil e saudável para fazer em casa, você pode fazer isso só com frutas sabia? É só congelar bananas bem maduras — assim elas adoçam naturalmente e você não precisa usar açúcar —, e se preferir congele-as já cortadas para facilitar. Depois bata-as em um mixer! Se quiser variar o sabor, junte outras frutas congeladas,

Artigo originalmente publicado no site São Paulo Saudável

Compartilhe este post

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on print
Share on email